Receba todas as novidades!
Deixe seus dados e receba nossos conteúdos direto no seu e-mail:
Seu e-mail está seguro conosco :)
Escolha por onde quer falar:
10 Coisas que fazem um cosmético ser mais sustentável
Publicado em: 05/08/2021
Conheça 10 exemplos de atributos que marcas de cosméticos mais sustentáveis buscam incorporar em seus produtos e levar em consideração na sua forma de produzir!
Mais que uma moda passageira, a busca por cosméticos cada vez mais sustentáveis se firmou como uma necessidade que continua em franco crescimento. O foco em produtos com redução de impactos ao meio ambiente, menor geração de resíduos e desperdício e embalagens com tecnologias e materiais “verdes”, estão entre alguns dos pontos observados por especialistas. No entanto, mudanças em relação ao uso de matérias primas e preocupações conservacionistas também se destacam nas discussões que giram em torno do tema. Um assunto estratégico e urgente em relação aos desafios ambientais presentes, já que o Brasil é o quarto maior mercado mundial de cosméticos e cuidados pessoais do mundo.

Apenas em relação à fatia do mercado mundial ocupada pelos cosméticos veganos, por exemplo, estima-se que ela alcance um valor de mais de R$ 106 bilhões até 2025, impulsionada, principalmente, por consumidores cada vez mais exigentes da geração Millennial, nascida entre 1981 e 1996.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), 73% dos Millennials dizem estar dispostos a pagar mais por marcas sustentáveis. Já 65% dos consumidores da Geração Z (do fim da década de 90 até 2010) têm como hábito saber a procedên­cia dos produtos antes de comprar — o que também aponta para preocupações nesse sentido.

Conheça agora 10 exemplos de atributos que marcas de cosméticos mais sustentáveis buscam incorporar em seus produtos e levar em consideração na sua forma de produzir!

Empresas de cosméticos mais sustentáveis:

1-Utilizam embalagens recicladas, recicláveis, atóxicas, inteligentes ou de baixo impacto ambiental

Se antes a preocupação com as embalagens tinha grande foco em sua composição e capacidade de degradação no meio ambiente, hoje, outros elementos são levados em consideração, passando pela sua toxicidade, uso de matérias-primas renováveis, recicladas ou recicláveis e principalmente seu design, que pode ajudar os consumidores a fazerem uso mais inteligente e consciente dos produtos.


2-Avaliam a origem dos ingredientes e matérias-primas que utilizam

A preocupação com a cadeia produtiva e com o impacto de um produto em todas as etapas de seu processo produtivo fez com que empresas passassem a realizar acompanhamentos e auditorias que pudessem garantir a origem e qualidade dos insumos. Rastreabilidade, selos e certificações hoje fazem parte de produtos que querem não só se manter dentro de padrões de sustentabilidade, mas também comunicar isso de forma transparente e acurada ao consumidor, evitando assim o chamado greenwashing (propaganda enganosa a respeito de aspectos sustentáveis de um produto ou serviço).


3-Fazem uso do Comércio Justo, praticando relações éticas em toda a cadeia de trabalho

Segundo a International Federation of Alternative Trade (Federação Internacional de Comércio Alternativo), Comércio Justo é aquele que é transparente e corresponsável na gestão da cadeia produtiva e comercial; oferece treinamento, investimento e apoio aos produtores; remunera adequadamente os colaboradores e realiza boas práticas nesse sentido; facilita a organização dos produtores em associações e cooperativas; respeita a legislação e normas; promove um ambiente de trabalho seguro e com atenção ao trabalho infantil e ainda respeita o meio ambiente.

4-Não usam ativos testados em animais ou que sejam frutos de trabalho escravo ou infantil

Estas empresas mantêm controle da cadeia produtiva, em especial no que refere às pessoas e à fauna, combatendo o trabalho escravo, infantil e os testes em animais, seja em seus produtos ou na origem de seus insumos. No Brasil, dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) apontam que 80% do trabalho análogo ao escravo se concentra no setor agrícola, um importante responsável pelo suprimento da indústria cosmética. Para saber mais sobre trabalho escravo, conheça o Observatório do Ministério Público do Trabalho em parceria com a OIT sobre isso. Para se informar sobre cosméticos que não realizam testes em animais acesse a lista do site PEA (Projeto Esperança Animal) ou da organização internacional PETA.

5-Usam ingredientes naturais, puros e certificados

A busca por ingredientes mais naturais na composição dos produtos tem resultado em cosméticos menos agressivos para o organismo humano e muitas vezes com potencial superior ao encontrado em produtos convencionais. Mas apenas utilizar esses ativos na formulação de um produto não é suficiente, sua porcentagem e grau de pureza e qualidade devem ser verificados por meio de selos e certificações específicas. Estas garantem ao consumidor que o produto escolhido possui de fato os benefícios naturais que comunica, ou seja, que ele é confiável nesse sentido e possui o potencial de ação realmente esperado.

6-Utilizam produtos orgânicos, biodinâmicos, agroflorestais ou da agricultura regenerativa

São muitos os modelos de agricultura que buscam entregar ao consumidor produtos mais puros, saudáveis, livres de agrotóxicos e com boa presença de nutrientes e princípios ativos. As modalidades de cultivo como a orgânica, que se certifica que não haja uso de defensivos em todo o processo de cultivo, solo e águas durante a produção; a biodinâmica, que leva em consideração métodos parecidos com os da agricultura orgânica, com o diferencial de práticas baseadas em conceitos esotéricos; os sistemas agroflorestais, que apostam no convívio entre espécies nos locais de cultivo para uma excelente manutenção da biodiversidade; e ainda por último, as modalidades de agricultura regenerativa e sintrópica, que se valem, respectivamente, da conservação e regeneração natural dos solos ou de espécies variadas para o ganho dos plantios, são bons exemplos de práticas nesse sentido.

7-Investem em modelos de negócios sustentáveis na empresa

A cultura, modelo de negócio e processos de uma empresa também precisa se espelhar em valores mais sustentáveis, e, no caso dos cosméticos, não é diferente. Como modelos orientados para sustentabilidade visam um impacto positivo na sociedade, é importante que o produto que chega às prateleiras tenha sido fruto de um processo focado em bem estar social, econômico e ambiental. Um dos exemplos mais conhecidos desse tipo de pensamento é o Triple Bottom Line, ou Tripé da Sustentabilidade, que leva em consideração os aspectos aqui citados.

8-Diminuem o impacto ambiental de suas atividades empresariais e industriais

Emissão de carbono, geração de poluentes, reflorestamento e tratamento adequado dos resíduos estão entre as principais preocupações de empresas que miram um ideal mais sustentável. Como a atividade de produção de cosméticos possui um impacto significativo no meio ambiente e sociedade, estar atento às normas locais e internacionais de proteção ao meio ambiente e comunidades, bem como se orientar por boas práticas no setor é fundamental nesse sentido.

9-São transparentes com o consumidor, preservam seus direitos e investem em informação e orientação sobre o uso de seus produtos

Os direitos do consumidor podem variar em diferentes mercados globais, porém é importante sempre considerar e preservar esses avanços, mantendo políticas de produção e comercialização justas, transparentes, seguras e cuidadosas com a saúde e bem-estar do consumidor. Canais de atendimento, esclarecimento de dúvidas e atendimento ao público, bem como informações claras, verídicas e acessíveis na comunicação fazem parte desse conjunto de atributos que uma empresa de cosméticos mais sustentáveis precisa ter.

10-Comunicam corretamente seus compromissos nos rótulos ou por meio de selos e certificações

É igualmente importante que todos os compromissos e práticas já citados — ou ainda outros mais — possam ser corretamente comunicados ao consumidor. Rótulos adequados, que indiquem o risco à saúde de determinados produtos, suas formas de uso e procedência dos ingredientes e matérias-primas devem ser claros, legíveis e verdadeiros. Selos, regulamentações e certificações também podem estar presentes, auxiliando o consumidor a fazer melhores escolhas de consumo e também a valorizar melhor aquilo que está comprando. Um exemplo de compromisso de sustentabilidade adotado por empresas brasileiras é o Sistema B Brasil.



Curtiu nosso conteúdo?

Compartilhe nas suas redes sociais!

Artigos relacionados

Quer receber as novidades?

Cadastre seu e-mail:

Conheça nossos cursos

Calma lá, não vá ainda!
Tenho uma surpresa para você! Deixe seu contato que vou te enviar um brinde por e-mail!
Seu e-mail está seguro conosco :)